LÍGIA GUERRA

Por que carrego doçura na alma e asas nos pés?
Porque sinto a vida além do óbvio.
Porque enxergo sol em dias de chuva.
Porque amo até mesmo o desamor.
Porque acolho cada gesto com os braços do coração.
Porque perfumo o caminho das estrelas.
Porque componho alegria na poesia da tristeza.
Porque desejo colorir a vida com olhos de fé!

* Lígia Guerra*

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Sou...

Sou tudo, menos óbvia!
Meus pés tem asas.
Minha alma tem raízes.

Meus sonhos beijam o céu.
Minhas verdades acariciam a terra.

Dentro dos meus olhos tem estrada.
Dos meus lábios vertem estrelas.

Meu sorriso tem sol.
Minhas lágrimas tem lua.

Entre tantos caminhos, descobri que sou um mistério para mim mesma...
Mas existe toda uma jornada para que eu possa me desvendar, desnudar.

Essa é a beleza da vida...
Não ter todas as certezas sobre a vida e ainda assim 
estar disposta a ousar tudo!

*Lígia Guerra*

Ser Seletivo...


Ser seletivo, observador e introspectivo não é defeito... É inteligência emocional. 

Escolher quem merece a nossa confiança é um ato de extrema sabedoria! Qual de nós nunca se decepcionou com alguém ao abrir a porta da casa, do coração e da vida? 

O problema não está em quem confia, está na falta de caráter do traidor, no coração amargo de quem não sabe receber afeto, atenção e respeito. 

O problema da fragilidade das relações normalmente acontece porque uma das partes está infeliz com a própria vida e acaba se amargurando com as conquistas alheias. 

Justamente por isso é muito importante observar, analisar e eleger com quem compartilhamos a nossa intimidade. Tão importante quanto saber o que e como falar, é saber para QUEM falar. 

A nossa alma e as nossas emoções são tesouros preciosos que devemos proteger com prudência e zelar com amorosidade. 

*Lígia Guerra*



⏰ 1 Minuto com *Lígia Guerra*.


⏰ 1 Minuto com *Lígia Guerra*. 

 Tema de hoje 🎬 

“Complexo de Inferioridade.”

domingo, 16 de junho de 2019

Mulheres Fortes...


Mulheres fortes provocam pânico ou desejo... Por vezes o dois. 
Indiferença? Jamais!!!

Você já viu alguém ficar incomodado com uma mulher sem personalidade? 
Provavelmente, não! 

Mas vale lembrar que aquela que tem o atrevimento de sair do lugar comum e despir-se dos “uniformes sociais”, pagará um preço caro! 

Rejeição, maledicência e sabotagens são alguns dos artifícios que os incomodados usarão para tentar a controlar a autoconfiança alheia. Vestir a própria pele dá um trabalho danado, mas é uma alegria incomum! 

Originalidade incomoda. 
Felicidade também! 

Mas qual é a vantagem de apagar a própria luz? Ser aceita pelos outros? 
Ser “acolhida” por pessoas que não gostam delas mesmas? 

Seja pânico! 
Seja desejo! 
Seja o que quiser! 
Só não deixe de respirar a sua própria essência porque outras pessoas estão asfixiando na própria fraqueza.

*Lígia Guerra* 




quinta-feira, 13 de junho de 2019

Charada...


Hoje, ao ler essa frase, pensei: 

- Quantas vezes desejamos aquilo que está distante... Enquanto a felicidade está “fungando no nosso cangote”? 

Só de abrirmos os olhos, enxergarmos o céu, respirarmos sem aparelhos, sentirmos o gosto dos alimentos, termos a capacidade de trocar um olhar, termos braços para acolher afeto, mãos para afagar, potencial para pensar, sentir, aprender e lutar, já somos ricos! 


Agora, imagine conseguir perceber todo o resto desse “pacote de acessórios”... quantos privilégios!!! Não é a vida que passa rápido, somos nós que estamos mal acostumados e habituados a reclamar, não enxergar e não valorizar as coisas. 

Sabe o que é pior? Ingratidão cega, adoece, infelicita e afasta as pessoas. Com esse tipo de postura não tem ‘Santo Antônio’ que dê jeito na nossa incompetência em sermos amados. 

*Lígia Guerra*

Gente azeda...


Já ouviu essa piada cheia de verdade? Pois é... Precisamos ter muito cuidado com aquilo que ouvimos. Isso se refere a fatos e a pessoas. Mas sabe qual é o maior perigo nesse caso? Quando ouvimos o que os outros falam de nós e assumimos isso como uma verdade, permitimos que os outros azedem o nosso destino. Cuidado!!! 

Quantas pessoas sofreram com bullying, com fofocas, com críticas mesquinhas e acabaram se auto depreciando porque colocaram a pequenez alheia acima da própria grandiosidade? 


Se desenvolvemos uma opinião ruim sobre nós mesmos, cada interação que estabelecermos com as pessoas e com as oportunidades que se aproximam, será “infectada” por uma grande dose de auto demérito e fraqueza. 

Você já reparou como existem pessoas qualificadas que nem sempre conseguem usar os próprios talentos? Isso acontece porque elas estão em desequilíbrio emocional... ou se escondem atrás de uma postura orgulhosa fingindo superioridade ou se encolhem como se fossem inferiores. 

Apropriar-se do próprio valor é saber viver sem ter que pedir desculpas por se sentir especial. Essa energia psíquica é força interior! Ela chega antes da nossa presença física. Alguns chamam de carisma... Eu chamo de consciência. 

*Lígia Guerra*

domingo, 24 de fevereiro de 2019

Goteiras Emocionais...



Se alguém afirmar que aquilo que você está sentindo é bobagem, coloque limites bem definidos! Uma fratura pode doer para alguns, menos que uma unha encravada para outros. A dor é subjetiva, o desrespeito não! 

Tão ruim quanto sofrer, é estar rodeado de pessoas que não enxergam a nossa singularidade. 

 Cerque-se de pessoas que tenham condições de lhe ajudar a reconstruir o seu “teto emocional”. 

Se for para aumentar o número de goteiras e lhe trazer mais dores, é melhor que determinadas companhias sejam “convidadas” a se retirar. 

*Lígia Guerra* 

Nudez da Alma...


Muitas pessoas convivem juntas durante anos, mas pouco sabem dos sonhos, medos, angústias e desejos dos seus parceiros. Vivem como sócios, não como cúmplices. Alguns fazem isso por medo de invadir o espaço do outro, alguns para evitar brigas, outros por excessiva timidez e alguns por puro egoísmo. Esses preferem uma relação mais prática do que realmente afetiva. 

Independente da motivação, essa conta não fecha! Nenhuma relação perdura quando o parceiro toca o coração do outro somente com a ponta dos dedos. 

Na ginga do relacionamento, o “amor” não sobrevive com meio “fôlego”. O amor não exige perfeição, mas cobra interesse. Ou você mergulha no vínculo, ou se afoga no raso. 

*Lígia Guerra*

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Quantas vezes fingi que não me importava...

Quantas vezes fingi que não me importava... Que não ligava para ausência de algumas pessoas em minha vida... Embora quase asfixiasse sem compartilhar o mesmo ar com elas. 

Inúmeras vezes fingi ser forte enquanto quebrava por dentro. Não foram poucas, também, as vezes em que reprimi um beijo, um abraço e a enorme vontade de dizer: Fique, não vá, não me deixe! 

Quantas vezes baixei o olhar para que eles, os meus olhos, não me traíssem e de fato dissessem o que os meus lábios secretamente trancafiavam. Já me retorci de vontade de tocar as mãos de alguém... Já afirmei que nada sentia enquanto o meu coração gritava: Eu te amo, você é tudo para mim! Assim segue a vida de todos nós... Deixamos pessoas que amamos partirem... Damos importância a bobagens... E dessa forma, sem nada dizer, escondendo-nos dos outros... Acabamos por nos perder de nós mesmos. 

Por isso lhe digo: Não traia os seus sentimentos, as suas verdades ou o seu amor... Eles podem até não dar certo, mas ainda assim serão seus, pois você os assumiu,vivenciou. Certo ou errado? Paixão vivida ou abandono assumido? Tristeza diante da decepção ou alegria na conquista? Como saber sem arriscar, sem assumir? 

Você atropelou a vida? Muito melhor do que ser atropelado por ela...Tudo menos a indiferença diante daquilo que você mais anseia por viver... Seja um amor... Um sonho... Ou a loucura de viver as maiores insanidades... Tudo menos olhar para um espelho e enxergar um fantasma. 

* Lígia Guerra *


Livro *Amor Sustentável*


Quem já passou por isso, compreenderá.

*Lígia Guerra*

OS "TREZE MANDAMENTOS" DA MULHER QUE SE AMA!!!



1 - Seja a sua maior aliada sempre. Independente do quanto possa estar complicada a situação. Grandes saltos exigem preparo. Apenas as suas asas podem pairar em direção aos seus sonhos. 

2 - Jamais se submeta a um homem que deseja controla-la, que a estimule a abrir mão da sua autonomia . Todo auto abandono é uma forma de suicídio e quem nos ama, também ama a nossa liberdade. 

3 - Não use o sexo para segurar um relacionamento falido. Não SE estupre! Seu corpo é um templo e o seu prazer uma conquista. 

4 Um sapato novo jamais deve ser mais importante do que a sua paz financeira. 

5 - Preserve as suas amizades. Os pais partem, os irmãos se voltam para as suas novas famílias, amores findam, mas os amigos ficam. 

6 - Nenhum relacionamento deve ser mais importante do que o seu equilíbrio emocional. 

7 - Jamais viva meias verdades, meios relacionamentos, meios projetos. Não corrompa o seu potencial. 

8 - Não idolatre absolutamente ninguém. Você é única! Não perca tempo invejando, odiando ou comparando. 

9 - Não confunda auto-estima com admiração alheia. Ame-se genuinamente. Valorize a sua originalidade. Se fosse para sermos iguais, as diferenças não teriam sido criadas. 

10 - Coloque o seu coração em todos os seus projetos existenciais. A vida se apaixonará por você e a guiará para realizações inimagináveis! 

11 - Nutra a sua alma com tudo o que puder. Ela será o seu grande alicerce frente as intempéries do tempo e da vida.  

12- Sonhos não têm prazo de validade. Essa é uma das grandes dádivas da jornada. 

13 - Ame muito. Ame-se mais e mais! Seja a sua melhor amiga, sempre. 

 *Lígia Guerra*


Livro *Amor Sustentável*


Quantos casais convivem de forma inconfessa? Guardam os seus medos e angústias somente para si mesmos? Afogam as suas agonias no silêncio dos seus corações. Transam, têm filhos, dividem contas, mas as profundezas de cada um são solitárias. 

Esse é um dos maiores bloqueios que precisam ser trabalhados na relação a dois. 
Não existe solidão pior do que aquela que tem “companhia”. 

*Lígia Guerra*

"Vilões e Mocinhos"...


Muitas das nossas conquistas ao longo da jornada, implicam em uma escolha nem sempre fácil: desagradar. Quando optamos pela nossa vontade, sempre encontramos pessoas que nos dão suporte e pessoas que nos criticam. 

Em várias situações, somos nós que criticamos os outros e não compreendemos a sua forma de pensar e agir. Por qual motivo isso acontece? Porque no fundo temos a terrível mania de acreditar que sempre sabemos o que é melhor para os outros. 

Julgar é muito fácil, mas respeitar dá um trabalho danado! Nem sempre é fácil desabitar o lugar do “eu sei” para dar lugar para a “vida é dele”. É muito importante lembrar que as escolhas equivocadas, sejam as nossas ou as dos outros, são importantes para o processo de crescimento de todos nós e cada uma irá se desenvolver dentro do seu tempo psíquico. 

Quando nos respeitamos e respeitamos os outros, deixamos de nos rotular como mocinhos ou vilões e passamos a valorizar a nossa humanidade que nos torna únicos e insubstituíveis. É libertador! 

*Lígia Guerra*


Livro "Amor Sustentável"


Entenda que se tornar menos disponível não é um jogo do tipo “não preciso de você”. Ao contrário, eu gosto tanto de você que sei a importância de cuidar de mim. 

Quem valoriza a própria individualidade sabe o valor da individualidade do outro e, principalmente, sabe o quanto a admiração mútua é um pilar insubstituível para vida a dois. 

Ser menos disponível significa ter sonhos próprios, ter assunto novo, ser a pessoa que continua sendo super interessante mesmo quando deixou de ser novidade. É tornar-se aquela que sabe ser parceira, jamais controladora. Esse é o melhor amor de todos, um amor leve. 

*Lígia Guerra*

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

O que é voar...


As raízes nos dão estrutura de vida… Ensinam-nos a importância de construírmos um porto seguro para os nossos retornos… mas são as asas que nos deslocam para o desconhecido e nos incluem na engrenagem do crescimento. Isso não é uma questão de essência geográfica. 

Existem pessoas que conhecem o mundo, mas permanecem aprisionadas aos seus medos, rigidez e pequenez afetiva. Deslocaram-se de um lugar para o outro, mas esqueceram de levar a ousadia na bagagem. Voar é saber desbravar novas paisagens no próprio coração… amar o novo, reinventar o antigo, descobrir-se em outro papéis, observar-se em outros espelhos afetivos. 

Voar é compreender que o diferente não é ameaça, mas oportunidade de conhecimento, pois onde existe o atrito também são criados fogo, luz, energia e calor! 

Voar é impedir que o calendário do mundo defina até quando, até onde, até que idade. Não existe nada mais triste do que os sonhos que tiveram o seu brilho roubado por limites preconceituosos, quando na verdade eles ainda tinham tanto para viver, para ser, para realizar. 

Voar é não se deixar amuralhar pelas cruezas da vida… Pois quem tem asas na alma, não permite que a amargura faça ninhos no coração. 

Voar é saber que sempre existem novos horizontes a ser admirados e perscrutados enquanto a vida ainda pulsa. Prefiro despencar do céu, no último segundo desse espetáculo da existência, do que apenas imaginar como os meus voos poderiam ter sido. 

Sou aquela que abre as asas, o riso e o coração. Aquela que faz rasantes sobre os cabelos grisalhos do tempo… A que nutre a sua essência nos lábios rouge da coragem. 

*Lígia Guerra*