Lígia Guerra

Lígia Guerra
Por que carrego doçura na alma e asas nos pés?
Porque sinto a vida além do óbvio.
Porque enxergo sol em dias de chuva.
Porque amo até mesmo o desamor.
Porque acolho cada gesto com os braços do coração.
Porque perfumo o caminho das estrelas.
Porque componho alegria na poesia da tristeza.
Porque desejo colorir a vida com olhos de fé!

- Lígia Guerra -

domingo, 26 de junho de 2011

Acasos...


Dançava no meio da multidão alienada, rodava o vestido branco, pouco se importava com os olhares indiscretos. Era dezembro de um verão estarrecido. De repente, olhou para o lado e o viu. Reparou que era observada há algum tempo: chinelos, bermuda, e um sorriso inexplicável. Tentou disfarçar, inutilmente. Nunca imaginou que seu destino estava sendo traçado ali, naquele ambiente pouco poético. Naquele momento, era apenas um olhar, e uma palavra rouca. Afastados da multidão, com o som quase mudo, as vozes relutantes e um sorriso quente, aprendeu: A dança sempre será definida pelos acasos.

- Rita de Holanda -

Nenhum comentário: