Lígia Guerra

Lígia Guerra
Por que carrego doçura na alma e asas nos pés?
Porque sinto a vida além do óbvio.
Porque enxergo sol em dias de chuva.
Porque amo até mesmo o desamor.
Porque acolho cada gesto com os braços do coração.
Porque perfumo o caminho das estrelas.
Porque componho alegria na poesia da tristeza.
Porque desejo colorir a vida com olhos de fé!

- Lígia Guerra -

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

COREO(GRAFIA) DA ROTINA: Como ela escreve nosso enredo...


Mais um dia se espreguiça… Acorda manhoso e nos chama para a conversa. Mas muitas vezes “despertamos” cansados. Já sabemos o que a rotina tem a nos dizer… O relógio cadenciará as horas no mesmo ritmo. O trânsito imporá a invisibilidade do céu. A calçada encantará mais do que o sol. Um desânimo indesejado insistirá em nos fazer companhia. Reviraremos o bolso, a mala, a escrivaninha, a casa… E não encontraremos nenhum dos nossos sonhos. Entediados, eles refugiaram-se em outro lugar. Sim, os sonhos também cansam. Algumas vezes a culpa é nossa, acomodamo-nos… Em outras são as situações adversas da vida que nos obrigam a mudar a direção da bússola… Por vezes o tempo do vir a ser é totalmente diferente do nosso querer. Transitamos do outono para o inverno da alma. Hibernamos. 

Até que em um certo dia a primavera bate à nossa porta. Feito a deusa Afrodite…Linda, estonteante, perfumada e arrebatadora, encanta-nos! O tempo é outro. A metamorfose da vida acontece. Sentimo-nos revigorados. É tempo de despertar. É momento de acontecer. Um encontro ou reencontro inesperado nos devolve a capacidade de amar. A promoção chega. O filho nasce. A viagem sai do rascunho. O projeto ganha nome. Redescobrimos a profissão. Voltamos a nos apaixonar pelo nosso espelho. As segundas-feiras parecem sextas. As férias deixam de ser a melhor parte do ano. Cantamos nos dias de chuva. Passamos a ter olhos de sol e sorriso de lua. Renascemos. 

É verão. Nesse momento a compreensão acontece. As nossas existências também transitam entre estações. Como não havíamos percebido isso? Se nos tornarmos sábios deixaremos de comungar apenas com o sol do verão. Saberemos acolher genuinamente o que cada uma dessas fases tem a nos ofertar. A coreografia aparentará ser a mesma, mas nós seremos outros. Não esperaremos mais a música certa para dançar ou a ocasião perfeita para comemorar. A existência será a grande festa! O improvável acontecerá.

- Lígia Guerra -



Um comentário:

Poeta del Cielo disse...

A Rotina faz que nossos dias sejam sempre de un so cor... mais esta en nois pintar de cores belos con dethales que fazan deles lindo de seren esperados....

lindo final de semana amiga Ligia
saludos
abracos