Lígia Guerra

Lígia Guerra
Por que carrego doçura na alma e asas nos pés?
Porque sinto a vida além do óbvio.
Porque enxergo sol em dias de chuva.
Porque amo até mesmo o desamor.
Porque acolho cada gesto com os braços do coração.
Porque perfumo o caminho das estrelas.
Porque componho alegria na poesia da tristeza.
Porque desejo colorir a vida com olhos de fé!

- Lígia Guerra -

quarta-feira, 19 de junho de 2013

O sequestro da população Brasileira.



Triste dia em que nos calamos. Feliz dia em que recuperamos a voz! Devemos protestar sim, fazer valer os nossos direitos de cidadãos em todas as instâncias. O que não podemos é parar apenas na questão das passagens de ônibus e continuar a viver em um país de indigência cultural. Enquanto pessoas, não temos nada a menos do que outros povos ditos civilizados. O que temos a menos são políticos que realmente desejam investir em sua população de forma comprometida e séria. 

Ainda hoje estava ouvindo no rádio certas sugestões de “alguns políticos” afirmando que a solução para a passagem dos ônibus seria aumentar o IPVA ou o número de pedágios para aqueles que andam de carro. Quem conquista um carro tem que ser punido por isso? Eu tenho uma sugestão melhor para alguns políticos: Não sejam corruptos. Vivam com os seus salários meus senhores!!!!! Vivam com o que ganham que já é muito, diga-se de passagem. Caso vocês tenham a decência de viver com aquilo que ganham, como qualquer mãe ou pai de família honesto desse país, certamente sobrará MUITO dinheiro para ser investido em transporte público de qualidade. Transporte no qual as pessoas possam usar sem medo e com dignidade. 

Sempre que viajo para países em que o dinheiro público é investido com seriedade eu penso: ‘Como seria bom se eu não fosse refém do meu medo e da minha dependência de carro.’ Nesses lugares eu só utilizo o transporte público e o meu carro é uma despesa da qual eu me livraria de bom grado, tanto pela questão financeira quanto pela consciência ambiental. Além disso, embora a carga tributária do Brasil seja pesada, eu não me importaria de pagar tantos impostos se fosse para todos crescermos juntos!!! Mas não é o que tenho visto. 

Você já ouviu falar da Síndrome de Estocolmo? Nela, as vítimas de sequestro se identificam com os seus agressores, os sequestradores. "Pequenos gestos gentis por parte dos raptores são frequentemente amplificados porque, do ponto de vista do refém é muito difícil, senão impossível, ter uma visão clara da realidade nessas circunstâncias e conseguir mensurar o perigo real. É importante observar que o processo da síndrome ocorre sem que a vítima tenha consciência disso. A identificação afetiva e emocional com o sequestrador acontece para proporcionar afastamento emocional da realidade perigosa e violenta a qual a pessoa está sendo submetida. Entretanto, a vítima não se torna totalmente alheia à sua própria situação, parte de sua mente conserva-se alerta ao perigo e é isso que faz com que a maioria das vítimas tente escapar do sequestrador em algum momento, mesmo em casos de cativeiro prolongado." 

Os sequestradores do Brasil roubam a dignidade da população e depois a fazem acreditar que fazem muito por ela. Viver desse paternalismo doentio onde o governo estende as suas “bolsas” é uma piada e de muito mau gosto! As pessoas só precisam dessa “caridade” porque roubaram delas o direito de terem condições de disputar de igual para igual um espaço na vida, no mercado de trabalho e na sociedade. Isso se estende ao sistema das cotas. Ninguém deveria precisar delas. Todos têm inteligência e capacidade para crescer, aprender, pensar, questionar e de disputar de igual para igual pelas oportunidades, mas quantos tem a condição de receber uma excelente educação desde pequenos? 

Quando estive em Zurich, tive a oportunidade de conversar com um jovem que trabalhava em uma cafeteria. Antes de me perguntar qual o café que eu gostaria de beber, perguntou em qual idioma eu gostaria de ser atendida. Ele falava inglês, alemão, francês e italiano. Como admirei aquele profissional! Como admirei a naturalidade com a qual as pessoas são educadas. Com cidadãos realmente esclarecidos e com senso crítico bem estruturado, com casa, saúde, comida, cultura e valores éticos esculpidos desde tenra idade, fica difícil barganhar votos. Ainda mais complicado é se manter no poder. Gente que pensa, critica e tem voz, realmente não interessa a inúmeros governantes. 

Todos, TODOS MESMO, deveriam ter educação da melhor qualidade e de base! Deveríamos ter, inclusive, educação financeira, política e ambiental. Acredito que estamos iniciando o nosso processo de fuga desses sequestradores, tentando fugir desses cativeiros, mas para isso teremos que unir mais forças. Não poderemos delegar essa missão apenas aos mais jovens. Temos a obrigação de buscar, juntos, alternativas para mudanças. Tudo menos emudecer as vozes que timidamente estamos ouvindo em nosso país. Que Deus tenha piedade desses sequestradores. Mas que o Brasil não tenha! 

- Lígia Guerra -


Um comentário:

Francisco Elui Ferreira Terres disse...

Boa noite!

Nada além, diante de tanto desinteresse pelo óbvio.
Inúmeros são os visionários que colocam previsões catastróficas diante da justificativa do injustificável.
Com esmolas para substituir a responsabilidade de projetos para longo prazo com solides na responsabilidade que não existe.
Transformando a população com pouca informação de refém ao desmando de todo tipo, onde procuram manter a desinformação.
Somos filhos da esperança e netos das heranças de todo o tipo imposta a humanidade, mas que os homens de bem filtram e plantam ainda nas terras férteis que existem por toda parte.
Venceremos com certeza, A revolução de idéias prevalece, nasce e cresce, os oportunistas vem e vão. Assim é sempre o nosso recomeço.

Bjos.

FRANCISCO ELUÍ FERREIRA TERRES