Lígia Guerra

Lígia Guerra
Por que carrego doçura na alma e asas nos pés?
Porque sinto a vida além do óbvio.
Porque enxergo sol em dias de chuva.
Porque amo até mesmo o desamor.
Porque acolho cada gesto com os braços do coração.
Porque perfumo o caminho das estrelas.
Porque componho alegria na poesia da tristeza.
Porque desejo colorir a vida com olhos de fé!

- Lígia Guerra -

domingo, 17 de abril de 2011

Acorde...

... ponha a saia mais leve, aquela de chita e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim. Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteria.

- Arthur da Távola -


2 comentários:

Sonhadora disse...

Minha querida

Um texto que é um vôo no azul do céu, leve e solta, adorei e deixo um beijinho.

Sonhadora

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Lígia do sul,
Mulher é amar, é amor...
Já fui mulher, eu sei...

Abraço mais que masculino,
Pedro Ramúcio.

verificador: nossevit